NOSSO BLOG

NOSSO BLOG

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Raio causou apagão que atingiu 12 Estados no sábado

 


O apagão de sábado (15) reduziu em 13,4% a energia distribuída em todo o país e afetou o fornecimento em 12 Estados, informou nesta segunda-feira (17) o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). Segundo a Folha apurou, o apagão foi causado por um raio que atingiu a linha de transmissão entre Emborcação e Itumbiara, em Goiás. 

O presidente do ONS, Hermes Chipp, confirmou que a causa do acidente pode ter sido uma descarga atmosférica, mas ressaltou que as causas ainda estão sendo apuradas.
Passados dois dias do acidente, o operador nacional e o MME (Ministério de Minas e Energia) ainda não informaram oficialmente a causa --apenas que ela teve origem na usina hidrelétrica Itumbiara, da Eletrobras Furnas, localizada na divisa entre Goiás e Minas Gerais.
Chipp disse que, a usina é muito antiga e tem uma configuração que facilitou o acidente e que ela deverá passar por obras de modernização.
O diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Nelson Hubner, disse que a usina operava com instalações desatualizadas. "O arranjo da subestação é muito ruim, desatualizado."
Hubner firmou que a agência reguladora já pediu ao ONS (Operador Nacional do Sistema) um levantamento sobre a situação de outras subestações do país para verificar se o problema também ocorre em outras usinas geradoras.
"[Queremos checar] se há alguma subestação desse jeito, com desatualização em termos de arranjo. Desliga aquilo ali e cria uma situação de instabilidade no sistema", disse.
O presidente do ONS informou que todas as subestações do país serão reavaliadas para que o problema não volte a ocorrer. 

OBSOLETO
Segundo uma fonte, o arranjo do sistema de proteção da subestação foi projetado na década de 1970. Apesar de receber manutenção, é antigo e não é mais usado nos sistemas de proteção instalados nas novas subestações.
O problema é que a substituição desses equipamentos implicaria no desligamento da subestação --e consequentemente da linha de transmissão-- por pelo menos um ano. Como Itumbiara é um dos pontos de conexão com o sistema de transmissão Norte/Nordeste/Centro Oeste, há preocupação em tirá-lo da operação.
Esse mesmo sistema obsoleto opera em outras subestações, também construídas na década de 1970, como Araraquara, Marimbondo e Cachoeira Paulista. 

3,5 MILHÕES
Ficaram sem eletricidade mais de 3,5 milhões de pessoas em cidades de 12 Estados: Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Segundo o ONS, foram afetados 1,5 milhões de pessoas em São Paulo e 1,2 milhão no Rio.
O apagão suspendeu o fornecimento de 13,4% da energia do país, segundo o operador nacional.
O Estado mais prejudicado foi Mato Grosso, com 66,6% de carga interrompida, seguido de Paraná (33,5%), Goiás (25,7%), Santa Catarina (24,9%), Acre (23,2%), Espírito Santo (20,0%), Rio Grande do Sul (19,6%), São Paulo (15,3%) Rio de Janeiro (15%), Mato Grosso do Sul (17,4%), Rondônia (12,3%) e Minas Gerais (10,6%). 

EFEITO CASCATA
A Folha apurou que o problema começou com um raio que atingiu a linha de transmissão entre Emborcação e Itumbiara. Disjuntores da subestação de Itumbiara desligaram a linha automaticamente. Cinco das seis turbinas da usina pararam de funcionar.
O acidente provocou um efeito cascata em parte do Sistema Interligado Nacional, gerando o desligamento também de outras linhas de transmissão que conectam o país.
Milésimos de segundos depois do primeiro corte, as interligações entre o Norte/Nordeste/Centro Oeste com o Sul/Sudeste caíram, o que gerou a separação completa desses sistemas. Na tarde de sábado, o subsistema Norte/Nordeste estava transferindo para o Sul/Sudeste uma carga de 5.000 MW médios.
O sistema que tenta isolar esses problemas de desligamentos, chamado de Erac (Esquema Regional de Alívio de Carga), entrou em operação e derrubou o fornecimento de algumas regiões para reequilibrar a demanda de carga e a geração. Foi preciso afetar doze Estados para reequilibrar o sistema.
Segundo o ONS, a suspensão do fornecimento de energia da interligação entre os sistemas Norte/nordeste/Centro Oeste e Sul/Sudeste foi interrompida, sendo religada minutos depois. Cerca de 30 minutos apos a ocorrência, aproximadamente 50% da carga estava restabelecida. Uma hora depois, 90%.
INVESTIGAÇÃO
Ontem, o CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico) realizou reunião extraordinária, com a presença do ministro Edison Lobão, para avaliar o problema.
Segundo informações do ministério, a falha provocou o desligamento de aproximadamente 8.800 MW de carga, sendo 50% na região Sudeste. A causa do apagão, no entanto, ainda não foi confirmada.
Equipes técnicas do MME, da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e do ONS seguiram para Itumbiara para participar das análises sobre a falha no fornecimento de energia.
O ONS deve esclarecer ainda hoje as origens do apagão. Oficialmente, o MME considera o problema como uma "perturbação do sistema".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.