NOSSO BLOG

NOSSO BLOG

quarta-feira, 27 de março de 2013

Seca impulsiona retomada das exportações de sal

A produção de sal subiu com a seca, permitindo a estocagem e a comercialização do excedente

Com as chuvas de 2008, 2009 e 2011, o setor chegou a praticamente interromper as operações de comércio exterior. A retomada se deu no início deste ano. A produção de sal, que cai em períodos chuvosos, subiu em função da seca e permitiu aos salineiros estocar e comercializar o excedente em 2013. 



A ideia, segundo Aírton Torres, presidente do Sindicato da Indústria do Sal no Rio Grande do Norte, é exportar entre 160 mil toneladas e 320 mil toneladas este ano. O volume parece alto, mas não chega nem a 50% do exportado pelo setor durante o pico das exportações (800 mil toneladas).     



Aírton explica que é preciso reconquistar os clientes estrangeiros para só então aumentar o volume exportado. Boa parte do sal que já deixa o Rio Grande do Norte vai para África, Europa ou países da América, como Estados Unidos e Canadá. Além de ir parar na mesa dos compradores, o sal marinho produzido pelo RN é usado na indústria química e no degelo de estradas de países com inverno rigoroso. 



A retomada das exportações se dá no período em que as salinas tentam se livrar das sanções impostas pelo Ibama. Acusadas, entre outras coisas, de produzir em Área de Proteção Permanente, 30 salinas potiguares ainda tentam cancelar as multas aplicadas pelo órgão ambiental. O setor tem reunião agendada com a ministra de Meio Ambiente, Izabella Teixeira,  no dia 2 de abril. 



A reunião, que também contará com a participação da governadora Rosalba Ciarlini, da bancada federal, do presidente da Câmara de Deputados, Henrique Alves, e do presidente do Ibama, Volney Zanardi, estava agendada para ontem, mas foi remarcada porque a ministra estava em viagem no exterior. O objetivo, segundo Aírton Torres, é tentar cancelar as multas aplicadas pelo Ibama, que somam R$ 80 milhões. Procurado pela reportagem, o Ministério do Meio Ambiente disse que quem comenta o assunto é o Ibama.



Concorrência com produto chileno preocupa



As multas não são o único motivo de preocupação do setor. Os salineiros potiguares, que respondem por 95% do sal marinho produzido pelo país, também tem se preocupado com a entrada do sal chileno a preços inferiores aos praticados pelo mercado. 



A situação não é de hoje e já se transformou em processos no Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) e no Ministério da Justiça. O processo no Ministério da Justiça foi arquivado, e o do Mdic resultou numa decisão favorável ao setor.  Os produtores chilenos que vendem sal para indústrias brasileiras e descarregam a mercadoria no Porto de Santos se comprometeram a aumentar o preço do sal, após a intervenção do Mdic. Já o sal chileno que também é destinado para as indústrias, mas é descarregado em outros portos do Brasil estão tendo o preço elevado em 35%. 



Para o Sindicato da Indústria do Sal do Rio Grande do Norte, o resultado da decisão ficou aquém do esperado. “A gente queria que o governo brasileiro fosse capaz de proibir o dumping que esse produto faz, mas os efeitos da decisão foram muito limitados”, afirma Aírton Torres, presidente do Sindicato. A prática de dumping ocorre quando uma ou mais empresas de um país vendem seus produtos ou serviços em outros países por preços abaixo do valor praticado pelo mercado. 



* Tribuna do Norte/Olho D'água em Dia/Márcio Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.