NOSSO BLOG

NOSSO BLOG

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Licença médica, congresso, feira e até velórios motivam faltas em sessão que livrou Donadon

Deputado federal Natan Donadon agradece após votação na Câmara dos Deputados decidir pela não cassação do seu mandato, apesar de estar preso
Deputado federal Natan Donadon agradece após votação na Câmara dos Deputados decidir pela não cassação do seu mandato, apesar de estar preso
As justificativas apresentadas nesta quinta-feira (29) pelos deputados federais que se ausentaram da sessão que manteve o mandato de Natan Donadon (PMDB-RO), condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e preso há dois meses, vão desde problemas de saúde a viagens oficiais, no mínimo, curiosas.

Em votação secreta, 233 deputados votaram a favor de sua cassação, 131 contra e houve 41 abstenções. Para cassá-lo, eram necessários 257 votos, o que representa a metade do total de deputados mais um voto. A sessão, que começou às 19h, foi estendida pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), até depois de 23h. Segundo ele, 470 parlamentares registraram presença na sessão anterior à que votou a cassação do deputado, mas só 405 votaram.
O deputado Alexandre Roso (PSB-RS), por exemplo, não compareceu à sessão por cumprir missão oficial pela Câmara em um congresso sobre obesidade na Turquia. Alice Portugal (PCdoB) faltou por estar em viagem à China, também representando a Casa.
Beto Albuquerque (PSB-RS) também cumpria missão oficial: representou a Câmara na Jornada Nacional de Literatura em Passo Fundo (RS), onde está sua base eleitoral.


Motivos eleitorais também provocaram a ausência do tucano Sérgio Guerra (PE), ex-presidente do PSDB. Ele viajou a São Paulo, onde se reuniu ontem (28) com lideranças do partido para fortalecer a pré-candidatura do senador Aécio Neves à Presidência. Hoje, o senador viajou à capital paulista para encontrar os dirigentes estaduais da sigla.

Vicentinho (PT-SP) justificou a ausência em função de participação na festa de 30 anos da CUT (Central Única dos Trabalhadores).

O pastor Marco Feliciano (PSC-SP) se ausentou em função de viagem aos Estados Unidos como representante da Comissão de Direitos Humanos da Câmara para tratar de violações contra imigrantes brasileiros presos. Disse que permaneceu na Casa até 19h30, mas às 20h, quando teve início a votação, já estava no aeroporto.


Muitos parlamentares alegaram problemas de saúde. Romário (Sem Partido-RJ) se ausentou porque foi submetido a uma cirurgia na coluna. O ex-atleta está de licença médica por conta da operação, assim como José Genoino (PT-SP), que recebeu alta no último dia 20 após cirurgia para correção da aorta e ainda está de licença.

Heuler Cruvinel (PSD-GO) não compareceu porque foi ao velório do vereador Maxwell da Silva Gomes, em Rio Verde (GO).


* Reprodução Márcio Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.