NOSSO BLOG

NOSSO BLOG

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Produtores de mel se únem para abrir mercado
apicultores

Os apicultores do Rio Grande do Norte apostam na união para vencer os reflexos da estiagem, que afeta diretamente na produção de mel, e ganhar poder de venda.
A partir de dezembro, a produção de cerca de 6 mil apicultores potiguares e entidades ligadas ao setor, atendidos pelo projeto de Apicultura do Sebrae, serão comercializados com a marca "Potimel".
Inicialmente, a marca será vendida na Grande Natal. A medida foi adotada para divulgar, baratear custos e agregar valor ao mel produzido no Estado.
A decisão foi anunciada na sexta-feira (19), durante a reunião do Comitê Gestor do Projeto de Melhoramento Apícola, realizada no Espaço Empreendedor do Sebrae na 50ª Festa do Boi. O evento aconteceu no parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim.
Para o gestor do Projeto de Apicultura do Sebrae-RN, Lecy Gadelha, a medida vem para auxiliar na profissionalização dos apicultores.
"Apesar de ser o terceiro maior produtor de mel do Nordeste, o Rio Grande do Norte tem poucas casas de mel certificadas, dentro das normas sanitárias. Estamos trabalhando nesse sentido e atualmente já temos oito unidades de beneficiamento certificadas", conta. O gestor estima que esse número suba para 80 unidades até 2014. 
Federação apícola destaca importância da iniciativa
O presidente da Federação Apícola do Rio Grande do Norte(Farn), Giomar Lopes, acredita que a medida irá beneficiar a apicultura potiguar e deve fazer com que o Rio Grande do Norte suba no ranking de produção de mel.
"Boa parte da nossa produção, devido à falta de unidades de beneficiamento certificadas, é processada no Ceará, principalmente o mel da região Oeste, pela proximidade". Giomar Lopes ratifica que o produto que sai do RN ajuda a engordar as estatísticas de produção do Ceará, segundo maior produtor nordestino de mel. Em primeiro lugar, vem o Piauí.
Além dos prejuízos causados pela seca, que este ano deve comprometer até 90% da produção de mel do Estado, os apicultores potiguares também têm prejuízos na hora de processar o mel. Devido à falta de certificação, os produtores buscam unidades de beneficiamento de outros municípios para que o mel seja fracionado e envasado.
"Nesse processo de transporte e beneficiamento nós perdemos cerca de 30% de matéria-prima, e cerca de 10% dos lucros ficam na unidade de beneficiamento," explica o presidente da Associação de Apicultores de Caiçara do Rio dos Ventos, Francisco das Chagas.

Fonte: O Mossoroense/Cidade News Itaú

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.